Óleo de Tuia e Ovário Policístico

ÓLEO DE TUIA E OVÁRIO POLICÍSTICO

Cientistas administraram óleo de tuia oralmente a ratas com síndrome do ovários policístico induzido pelo uso de letrozol durante 21 dias. Após este tempo, uma avaliação dos animais demonstrou que os níveis de estradiol e progesterona aumentaram significativamente, enquanto os de hormônio luteinizante (LH) e testosterona diminuíram nos grupos que receberam o óleo de tuia e alfa-tuiona isolada.

Os níveis de colesterol LDL, leptina e níveis de glicose também diminuíram com o uso do óleo de tuia e a-tuiona. Análises histopatológicas mostraram que os animais mantinham boa saúde e que os cistos haviam incrivelmente diminuído de tamanho.

O tratamento convencional para esta síndrome que visa baixar os níveis de estradiol, tende a causar osteoporose. É interessante destacar que o óleo de tuia não provocou osteoporose nos animais.

Nesta pesquisa, a dosagem empregada com os animais foi de 5 mg/kg durante 6 semanas, sem verificação de mortalidade ou malefício à saúde dos animais. O óleo de tuia é conhecido por ser neurotóxico e hepatotóxico e em estudos em que dosagens mais elevadas foram empregadas, alguns animais morreram ou tiveram prejuízos à sua saúde.

Apesar da toxidade do óleo de tuia e a sua não indicação para uso oral em humanos, sua utilização via inalação é comum, especialmente no Canadá, onde este óleo essencial é produzido e comercializado em farmácias. Ele é muito empregado via inalação com o objetivo de aumentar a imunidade, equilibrar os hormônios femininos (em casos de menopausa e TPM), combater infecções, além de tratar de verrugas e HPV pelo uso tópico ou gel (2%).

A inalação do óleo de tuia em difusores de ambiente poderia ser uma maneira complementar de ajudar no balanceamento hormonal na síndrome do ovário policístico. Contudo, são necessárias novas pesquisas com humanos para conclusões finais.

Autor:
Fabian Laszlo
Cientista aromatólogo

Referência:
Küpeli Akkol E, et al. Thuja occidentalis L. and its active compound, α-thujone: Promising effects in the treatment of polycystic ovary syndrome without inducing osteoporosis. J Ethnopharmacol. 2015 Jun 20;168:25-30.

No comments yet.

Deixe uma resposta

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.
%d blogueiros gostam disto: